Ecoando o amor além fronteiras

Diferença entre a música litúrgica e música de show!

24 OUT 2017
24 de Outubro de 2017

 “Existe uma diferença tremenda entre as músicas tocadas em shows com relação às músicas litúrgicas. Infelizmente, nós músicos queremos, muitas vezes, misturar as coisas.

A forma que se toca na celebração da Santa Missa é bem diferente da forma que se toca em um show. O show é um show, a própria palavra “show” quer dizer “expor”. Na liturgia temos que ter outra dinâmica, como, por exemplo, o músico deve cantar com doçura, afinação e humildade.

As pessoas, quando olharem para nós músicos no altar, precisam perceber uma unção espiritual em nós. Nós não estamos ali para aparecer, o único que deve aparecer na Santa Missa é Jesus, que é ali oferecido ao Pai. Nós todos estamos ali a serviço da liturgia.

O músico precisa cantar de uma forma ‘lisa’, sem fazer firulas, sem fazer portamento, sem colocar muitos enfeites. Ele deve cantar como a assembleia canta. O músico precisa escolher as músicas na tonalidade que o povo consiga cantar.

O cantor litúrgico precisa ter uma vida de oração; ele precisa aprender a servir com a humildade de Nossa Senhora.

                                                                                               

Atenção, músicos: quando vocês estiverem tocando na Santa Missa não usem acordes dissonantes em seu instrumento. Dissonância já diz: é uma dissonância, é uma harmonia na qual entram notas que não são harmônicas, muito usadas no jazz, na bossa nova e outros estilos de música. Mas na liturgia devemos usar acordes mais simples: tônicas, terceira, quinta, uma sétima menor, às vezes, uma quarta suspensa, que é uma nota de passagem. Porque, se você usar dissonância, as pessoas não vão mergulhar em Deus, pois essas notas dissonantes na liturgia podem despertar outros desejos no corpo, na mente e no espírito e também na sexualidade das pessoas. Porque os acordes dissonantes são gerados exatamente para mexer com a pessoa; na liturgia temos que tocar acordes doces para o bem do Reino de Deus”.

 

 “Músico, quando você estiver tocando na liturgia, em uma celebração da Santa Missa, toque como se você estivesse tocando para o melhor músico do mundo. Aliás você está tocando para o melhor músico do mundo: Deus, a Santíssima Trindade, e manifeste em seu semblante um ar de bondade, de alegria, de glória, de júbilo e de paz”, aconselha o maestro.

 

Texto escrito pelo maestro Urbano Medeiros – fonte : Canção Nova

Voltar

Ecoando o amor, além fronteiras!

Diocese de Saitama - Japão